A importância dos aplicativos de delivery na estratégia de crescimento dos restaurantes

Quem nunca pediu uma pizza num sábado a noite? Nos fins de semana, pizzarias de todo o Brasil funcionam à todo vapor, enquanto atendentes registram os pedidos que chegam por telefone.

O brasileiro se adaptou a esse tipo de comportamento por décadas e pizzarias, hamburguerias e outros estabelecimentos do ramo de entrega de comidas e lanches, também acabaram definindo um padrão de atendimento e serviços muito eficiente. No entanto, nos últimos anos, a tecnologia dos aplicativos de delivery mexeu de forma significativa com o mercado.

Segundo dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL), o ritmo de crescimento/faturamento no número de pedidos via aplicativos de delivery é de R$1 bilhão a cada ano, um crescimento superior a 12%. Em 2015, as cifras superaram R$9 bilhões, e em 2017, superamos os R$10 bilhões.

É necessário voltarmos um pouco no tempo para ter uma melhor compreensão desse cenário.

O “boom” dos aplicativos de delivery aconteceu após o sucesso do IFood, em 2011. Atualmente o aplicativo está presente em 15 estados brasileiros, e até em outros países como Argentina, Colombia e México.

No Brasil, 56% das pessoas que possuem o IFood realizam pelo menos um pedido por semana. Já 14% pedem duas refeições a cada sete dias. A maioria dos pedidos ocorre no período da noite e durante os fins de semana (67%), sendo a classe B a que mais utiliza a plataforma (69%).

aplicativos de delivery

Tecnologia como grande aliada

É impossível não dar o devido crédito à tecnologia por essa revolução. Os aplicativos de delivery contam com muitas funcionalidades que são um verdadeiro sucesso com o público, como a possibilidade de encontrar restaurantes mais próximos, tipos de prato e tempo de entrega. Sem contar que é possível ler as avaliações do estabelecimento feitas por outros consumidores.

Há alguns anos esse tipo de pesquisa poderia levar dias e o resultado não necessariamente seria positivo. Agora, basta alguns cliques no smartphone e o aplicativo já relaciona os estabelecimentos adequados aos interesses do consumidor, que também pode cadastrar um cartão de crédito na plataforma e nem precisa mais se preocupar com o pagamento na hora da entrega.

Já para os proprietários de restaurantes, os aplicativos de delivery significam uma ótima estratégia para se destacar e faturar mais, como é o caso da hamburgueria cearense Burggraf, que foi concebida com foco em delivery.

Nosso blog bateu um papo com Rodrigo Sales, Sócio Diretor da Burggraf, para entender melhor como aplicativos de delivery tem contribuído para a estratégia de crescimento deles. Confira!

Rodrigo, como surgiu a Burggraf?

A Burggraf surgiu a partir de uma amizade intensa entre mim e meu sócio. Desde nossa adolescência nós tínhamos uma personalidade e gostos parecidos. Sempre pensamos em ter uma empresa juntos e após nos formarmos no curso de Administração, em julho/2015, nós iniciamos os estudos e o projeto BURGGRAF. Identificamos que o mercado de hambúrgueres artesanais estava em alta, mas que ainda era muito pobre no que diz respeito a opções existentes. Apostamos em um formato de hambúrguer onde trouxesse o sabor original, de temperos de verdade, com isso temos por princípio privilegiar a construção dos sabores e não apenas juntar misturas pré-prontas ou condimentos pré-prontos e fazer um burguer. Nosso burguer tem uma pegada única, onde nós utilizamos comida de verdade para saborizar e montar nosso burguer. É como dizemos por aqui, não é só um hambúrguer, é um BURGGRAF.

Como vocês definiram a estratégia de comunicação da empresa? (Se diferenciar pelo design, pelo preço, pelo sabor, ingredientes…)

Pensamos na comunicação de forma 360º. Para nós cada detalhe foi e é importante. Desde a construção da logo, as cores utilizadas, o storytelling, as embalagens, as redes sociais e certamente o nosso produto que é o nosso principal elo de ligação com nossos clientes. Nossa ideia, já que era resgatar a originalidade dos sabores, foi resgatar um pouco também da história do hambúrguer. Vimos que na época medieval o hambúrguer foi difundido. Então demos a nossa marca uma cara medieval com um nome que adaptado significa – Guardião dos Sabores. Nossas cores também foram pensando no tema REALEZA, sendo assim temos o PRETO, o MOSTARDA e não amarelo e o VINHO, e não vermelho.

Segundo pesquisa recente da CONECTAí Express, 36% dos internautas brasileiros pedem comida em casa por aplicativos de delivery como o IFood, apontando também muita oportunidade no segmento já que 2/3 internautas ainda não utilizam esse serviço. Vocês estudaram esse mercado antes de lançar a Burggraf ou esse canal foi incorporado posteriormente?

A Burggraf foi pensada para o canal delivery. Temos uma pequena operação de mesa e to go, porém nosso foco é o delivery. Utilizamos sim o IFood, bem como um aplicativo próprio, e temos resultados bastante animadores. Temos percebido o avanço desse canal a cada dia. Já é uma realidade nos dias de hoje se ter uma operação apenas de delivery, pois o crescimento de pessoas que querem usufruir deste serviço é animador.

Qual a importância do IFood dentro do planejamento estratégico de vocês?

O IFood, tem sido um grande parceiro e um facilitador para que nossa operação atinja os resultados almejados. Conseguimos através do IFood ter acesso a uma quantidade de pessoas que não conseguiríamos ter com o nosso tempo de existência. Além da visibilidade, o IFood fornece a gestão dos pedidos, relatórios e informações sobre o negócio que nos auxiliam na tomada de decisões diárias.

Como estão as expectativas do segmento para este ano e quais os principais desafios a serem enfrentados?

As expectativas são as melhores, estamos seguindo para o nosso 2º ano com muita garra e muito foco no cliente. Os principais desafios são a perca de poder de consumo do brasileiro e o risco de nivelação por baixo do mercado alimentício. Percebemos que muitos players baixaram a qualidade de seus produtos e serviços no ano que passou por conta da crise, e nós tomamos a decisão de não reduzir qualidade. Foi bastante desafiador, reunimos nossa equipe e dissemos: Temos que ser criativos, temos que oferecer mais para os nossos clientes para que ele não nos abandone nesse momento de crise, e acho que deu certo. Talvez tenhamos perdido um pouco de margem, mas não perdemos a confiança do nosso público.

Você teria alguma dica para quem pensa em montar um negócio de alimentação com o foco em delivery por aplicativos?

A dica que eu daria é: Não pense no seu cliente, pense como o seu cliente. Acredito que as empresas que irão sobreviver em tempos difíceis ou que irão marcar seu nome nos tempos fáceis, são as empresas que pensam soluções para os seus clientes. Hoje ter um produto e tentar vende-lo sai muito caro. O correto a se fazer é entender a necessidade existente para depois produzir algo. Quando se tem o que os outros querem comprar, é fácil de vender e gera fidelização.

aplicativos de delivery

Conheça a Burggraf

Rua Naturalista Feijó, 669 – Monte Castelo, Fortaleza – Contato: (85) 3035-7755

Facebook | Perfil IFood

_

 

Ainda em dúvida sobre tirar o seu restaurante do papel? Será que trabalhar apenas com delivery não seria a opção ideal para você? Esperamos ter ajudado! Qualquer dúvida deixe um comentário!

LEIA TAMBÉM: Como fazer o controle financeiro do seu restaurante

Compartilhe: